quarta-feira, 20 de junho de 2012

Agora o PT acabou, se bem que desde 2002 ele já havia acabado

    Faço das palavras do Raphael Tsavkko as minhas. Eu também já fui petista, lamentávelmente, e assim como o Raphael, eu a partir de 2002 também deixei de ser eleitor do PT em função das alianças e do governo em sí.

 

Maluf é a pedra no caixão do PT


Nojo!
       Uma chapa com Haddad (PT), Maluf (PP) e Erundina (PSB) poderia,a té semana passada, ser algo inimaginável, mas na verdade seria inimaginável apenas ANTES de 2002. Depois desta data, das alianças com partidos de direita com a desculpa da governabilidade, tudo passou a ser possível.
Depois do texto escrito, a bela e maravilhosa notícia de que Erundina manteve sua ética e história intactas e pulou fora do barco furado. Que o PT durma com Maluf, ela não irá.
      Depois de 2002 a porteira foi aberta e entraram o PMDB, o PR, o próprio PP nacional, o PSC, o PSD (com Kátia Abreu e Kassab e até Índio da Costa, vice de Serra) e quem mais quiser. MAs poucos estavam preparados para o golpe final no que restava do PT: O Maluf.
         Sim, o PP estava e está coligado nacionalmente, mas o simbolismo de ter o próprio Maluf, com direito a foto com um Lula e um Haddad sorridentes, é outra coisa. Notem que Lula sequer se dignou a parecer no anúncio da chapa Haddad-Erundina, mas para agradar Maluf, lá foi ele.
        A foto é constrangedora. É uma apunhalada na história do PT e em todos que algum dia militaram ou aidna militam por lá e que tem alguma consciência. Claro que não estou falando dos fanáticos que só dizem sim, como José de Abreu e outros, estes não raciocinam, mas tão somente repetem felizes o que a direção manda.
Não vou gastar um segundo sequer para lembrar quem é Maluf, seu trabalho em prol da Ditadura Militar e na ocultação de cadáveres de guerrilheiros falam por si só.     
         Se petistas estão dispostos a se aliar a capacho da Ditadura, é problema deles. Minha consciência e a dos que já saíram daquele partido está intacta. Não precisarei fazer nenhum malabarismo para justificar porque Maluf é "do bem" e Serra é "do mal". Se formos comparar biografias, me perdoem, mas eu prefiro a do Serra - ainda que concorde com todas as críticas feitas a ele e JAMAIS fosse votar na figura, que é um péssimo político, vindo de um partido igualmente ruim.
         E pouco me importa o que pensa ou deixa de pensar o PSDB sobre esta aliança. Eles queriam o Maluf e atacam porque não o tem.
Maluf representa a São Paulo velha, degradada, das obras faraônicas e ineficazes que destruíram, por exemplo, o centro de São Paulo. Representa o "rouba, mas faz", o "estupra, mas não mata", criminaliza o pobre, a vítima e sempre acha uma forma de dar um jeitinho e, no fim, é um criminoso procurado em TODOS os países que aceitam a jurisdição da Interpol. Maluf, se colcoar o dedo fora do Brasil será preso pela Interpol e deportado aos EUA para ser julgado.
O que o PT fez foi, basicamente, se aliar a um criminoso procurado em todos os países do mundo. Que deve milhões à São Paulo, que brinca com dinheiro público, um bandido amigo da Ditadura.
Aliado de Haddad: Procurado em centenas de países.

Ao se aliar com Maluf, o PT cospe, pisa em sua históiria e na de seus militantes. Assume que não vê problemas com desvio de dinheiro, com ocultação de cadáver e deixa claro que não se importa nem com a verdade sobre os crimes da Ditadura e nem com a ética na política.
Não que suas atuais alianças, a homofobia institucional, o privatismo neoliberal, a criminalização das greves dos trabalhadores e dos movimentos sociais não sejam, em si, uma vergonha que mancham a história do partido e denunciam seu caráter (sic) atual, mas Maluf é a pedra final no túmulo do partido que um dia foi Socialista, um dia foi de Esquerda, um dia mereceu voto.
Toda aliança tem um custo. Enquanto petistas dizem queestão "cooptando a direita", nós vemos a realidade, das bandeiras rasgadas e deixadas pelo caminho. Da Reforma Agrária que nunca vai acontecer, do respeito aos direitos humanos que hoje são lenda, dos direitos das mulheres ao corpo, do direito à verdade sobre os crimes da ditadura.... Nunca teremos nada disso. Cooptado foi o PT e sua tropa de choque miliciana e fanática. E não tem mais volta.

       Me entristeço apenas por Erundina, que ensaiou se revoltar contra esta aliança, mas recuou. Se um dia ele teve minha confiança, não tem mais.
      Aos que dizem que vale tudo pelo poder eu me limito a lamentar e dizer "não, não vale".
        Recomendo ao PT que mantenha sua coerência de neo-direita e coloque logo o Maluf como vice, mas dado o esforço do governo federal em criminalizar a luta das mulheres, o Netinho "espancador de mulheres" de Paula não seria má ideia. Mas com Maluf poderíamos ter a chapa "Malddad" e o slogan perfeito seria "Haddad e Maluf, juntos contra o Mal Maior". Recomendo a leitura deste ótimo post da Camila Pavanelli sobre o assunto.

Blog do Raphael Tsavkko

2 comentários:

Marcelo Pereira disse...

Na verdade acebou bem antes. Em 1999, eu mesmo havia alertado da possibilidade da existência de corruptos no PT e também da possibilidade de coligações com partidos e políticos sujos. Na época, muita gente não gostou. Mas o que vemos hoje é que eu estava certo, quase em pleno início da década passada.

José da Mota disse...

Interessante a coincidência das fotos e das manchetes da matéria de Luíza Erundina ao lado ou acima da de Delfim Neto na Carta Capital. E quem acompanhou a política brasileira na época em que Delfim Neto foi ministro da direita e hoje é um dos aliados do PT não compreende essa repulsa de Erudina, tardia por sinal, porque veio mais de vinte e quatro horas depois, repelir Paulo Maluf. Prova ela que retroage, retrógrada é, a concretização da "Esquerda Burra". E a configuração de uma pessoa tresloucada e traidora.
Parte 2: Que na comissão da verdade age cheia de ódio e rancor, vingativa. Invertesse o caso e lhe dessem poder absoluto sabe-se lá qual seria o tamanho da maldade de sua vingança sob o ardor do fogo de seu ódio.
Toda a concentração de energia que pulsa em explosão nas suas decisões entre um sim e um não são as mesmas, volátil alguém definiria. Um perigo para a sociedade analisariam, pois aparentemente o que se menos levou em conta em sua decisão foi a melhoria para o povo.
Parte 3: Uma faísca que por um tempo riscou o céu com luz e se apagou, para sempre. Com petulância de desesperada defesa a Estrela Guia com seus argumentos apagou. Lula-lá passou dos limites, disse, pelo povo. Luíza Erundina melhor do que ele moralmente se achou. Seria o mesmo que dizer.
Parte 5: Quem és tu Lula Estrela Guia diante de apagado risco no céu que um dia pouca luz lançou? Ainda obrigado, Lula, a ouvir o que não é nada em qualquer espaço, além de escuridão. Ousar dizer que quem passou dos limites foi tú, Lula-lá, ainda estrela guia brilhante no céu do coração do povo brasileiro.
Parte 6: E quem és tu Erundina para para falar o que quer que seja do Lula e criar-lhe problemas para a eleição de São Paulo. Dizendo inclusive que ele foi longe de mais?
E você para onde foi? Onde esta? E se foi e chegou a algum lugar, foi por quem? Por mérito político seu? E se, o que fez para merece-lo? Quem é você como liderança para o nosso país?
Parte 7:Foi prefeita de São Paulo nas costas de quem? De sua liderança política de nada e de ninguém como é até hoje, ou por Zé Dirceu, Lula, Suplicys e PT?
Que arrogância é essa para se achar com o direito de desistir dizendo que foi porque o Lula foi longe nessa ao coligar-se como o partido de Paulo Maluf? E ainda querer atrapalhar Lula e PT, isso tem nome, é covardia e traição! Típico de um tresloucada.
Parte 8: Mas estranhamente só se decidir depois de mais de 24hrs?
Pergunte-se a si mesma, quem sou eu? O que represento para o meu país como pessoa e política? Que falta eu faço para o Brasil? Antes de arrogar-se ao que quer que seja. Por que senão a pergunta quantos Malufs valem uma Erundina que fizeram na Carta Capital pode ser respondida por você mesma, e você com toda a certeza já se deu mal.
José da Mota.