sexta-feira, 12 de junho de 2015

Viação Itapemirim deixará de existir

   Após meses de recesso do Fatos Gerais, eis que nós voltamos novamente. Nossas postagens a partir de hoje voltarão a ser semanais. Vamos trazer novidades e também comentar e postar sobre eventos e acontecimentos que ocorreram enquanto o Fatos Gerais esteve de recesso.
     E o nosso retorno começa com uma noticia triste. A histórica Viação Itapemirim está deixando de existir e dentro de dois anos poderá desaparecer. Este é o capítulo final e melâncólico de uma empresa que foi importante na história dos transportes do país, do qual foi a maior transportadora do setor e a mais conhecida e respeitada. A Itapemirim passava por uma crise administrativa e financeira ha anos. Perdeu linhas, passageiros para outros concorrentes no seguimento rodoviário e sobretudo o seguimento aéreo, extinguiu com seu setor de transportes de cargas e se desfez da Viação Nossa Senhora da Penha, ou seja, ela foi se desfazendo aos poucos.
     A situação da Itapemirim é muito triste para o passado glorioso que teve, onde ela não apenas transportou como também fabricou carrocerias e até chassis. Até fabrica de caminhões a Itapemirim quase constituiu. E para quem não sabe, até no setor ferroviário ela teve atuação, onde administrava junto com a RFFSA os trens Santa-Cruz (Rio - SP) e Vera Cruz (Rio - BH). Foi uma empresa inovadora, brilhante e que ligava o país inteiro, chegando a lugares onde o trem, avião e até mesmo automóveis não chegavam.
    No site www.lexicarbrasil.com.br/itapemirim/ conta sua brilhante história na fabricação de onibus e veículos. Nós também temos fotos de um Tribus, onibus fabricado pela Itamirim, monobloco que será o tema da nossa próxima postagem.
    Segundo o blog Ponto de Onibus, do jornalista Adamo Bazani, a viação Kaissara ficará com a maior parte dos ativos da Itapemirim, incluindo a garagem, sede, frota e funcionários. Com isto se encerra a carreira gloriosa daquela que foi uma das mais importantes empresas de transportes do país, assim como foi a Varig, Transbrasil e Panair no setor aeréo e a RFFSA ,FEPASA no setor ferroviário e sua ex-concorrente direta, a viação Cometa.

EXCLUSIVO: Diretor da Kaissara fala da transferência das linhas da Itapemirim e dos planos da nova empresa

ônibus Kaissara
Ônibus com o layout da Viação Kaissara, bem semelhante ao padrão da Viação Itapemirim. Empresa assumiu linhas de grande demanda e possui estratégias para ampliar atuação, inclusive com parcerias operacionais com outras companhias de ônibus. Divulgação – Kaissara
ENTREVISTA: Diretor da Kaissara explica planos da empresa e transferência de linhas da Itapemirim
Companhia de ônibus opera 68 linhas, algumas de destaque como em São Paulo, Minas Gerais, Curitiba e Rio de Janeiro e promete investir em fidelização dos passageiros
ADAMO BAZANI – CBN
Desde o último dia 04 de junho de 2015, a Viação Kaissara assumiu 68 linhas interestaduais da Viação Itapemirim, uma das maiores empresas de transportes do País com sede no Espírito Santo.
Muitas destas linhas de destaque e consideradas de maior demanda de passageiros, como São Paulo / Rio de Janeiro, São Paulo / Rio de Janeiro (via ABC Paulista), São Paulo / Curitiba, Rio de Janeiro / Curitiba, Salvador/ Rio de Janeiro, Brasília / Belo Horizonte, Rio de Janeiro / Curitiba.
A notícia da transferência das linhas chamou a atenção do mercado e gerou especulações sobre como ocorreu esta mudança e sobre os novos controladores da Kaissara.
Na manhã desta sexta-feira, 12 de junho de 2015, o diretor de operações da Kaissara, Fernando Santos, conversou por telefone com a reportagem do Blog Ponto de Ônibussobre a transferência não apenas das linhas, mas de frota, estrutura operacional e trabalhadores que eram da Itapemirim. Também falou sobre os planos da companhia, como a criação de medidas para fidelização dos passageiros.
À frente da Kaissara, como gestores, estão Fernando Santos, que atuou em diversas empresas de transportes de carga e passageiros, a mais recente foi a própria Itapemirim, e a Marcos Correia, que cuida das questões financeiras, jurídicas e fiscais.
Por questão de estratégia de comunicação, a relação oficial dos empresários que controlam a companhia será divulgada em breve pela Kaissara.
A TRANSFERÊNCIA:
Fernando Santos disse que a Kaissara pertencia a empresários locais do Espírito Santo e que a empresa tinha um acordo de operação com a Itapemirim, mas nunca pertenceu integralmente à companhia fundada por Camilo Cola.
A transferência das linhas começou a ser concretizada no início deste ano.
“Houve uma relação comercial, adquirirmos linhas, estrutura como guichês e postos de apoio, absorvemos os funcionários e a assumimos a frota que era usada pela Itapemirim nestas linhas. Por questões estratégicas não vamos falar dos valores envolvidos, mas como toda a transição, as coisas ocorrem em etapas. A mais recente foi a resolução da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) que autorizou as operações” – disse Fernando Santos.
PARCERIAS COM OUTRAS EMPRESAS, FROTA, PINTURA E NOVA GARAGEM:
O período de transição ainda continua. Além de estruturas operacionais ao longo das estradas e de mercado quanto às vendas de passagens, a Kaissara pretende ampliar o leque de operações. Para isso deve firmar parcerias com empresas de ônibus de várias regiões do país usando estruturas e complementando serviços, entre estas companhias, por exemplo, estão a Viação Ouro e Prata, do Rio Grande do Sul, e a Rio Doce, de Minas Gerais.
Atualmente, a empresa usa a garagem que continua com a Itapemirim, em Guarulhos, na Grande São Paulo, mas futuramente deve ter uma sede própria na Capital Paulista ou na Região Metropolitana.
A Kaissara também vai continuar pelo menos nos próximos três anos, com o leasing operacional dos ônibus que pertencem ao Grupo JSL (Júlio Simões Logística), de Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo.
Fernando Santos nega, no entanto, que o Grupo JSL tenha participação societária na Kaissara.
“Após expirado leasing, verificaremos se é vantajoso continuar este modelo ou adquirir frota própria. Tudo vai depender do mercado” – disse Fernando Santos, diretor da Kaissara.
A pintura dos ônibus hoje operados pela empresa é bem semelhante a da antecessora Itapemirim. Segundo Fernando Santos isso ocorre por questões de custos, de tempo (não seria possível alterar toda a frota que veio da Itapemirim) e para minimizar os impactos para os passageiros acostumados com o “amarelo” da empresa fundada por Camilo Cola.
“Mas vamos consultar os busólogos (admiradores de ônibus), através até de concursos, para sugestões de novos layouts. Neste momento é estratégico manter a pintura semelhante, mas futuramente pode ser estratégico mudar” – informa Fernando Santos.
CONCESSÃO DA ANTT:
O negócio ocorre às vésperas de a ANTT – Agência Nacional de Transportes Terrestres iniciar o processo de concessão de quase 2 mil linhas interestaduais e internacionais em todo o País. A licitação destas linhas, que hoje são operadas por concessões precárias e provisórias, deveria ocorrer em 2008, para seguir o que determina Constituição de 1988 e a Lei de Licitações 8.666/93 sobre serviços de caráter público prestado por empresas privadas. Mas desde 2008, empresas de ônibus e governo federal travaram uma grande queda de braço. As companhias venceram. Elas não aceitavam o modelo da ANTT que dividia o sistema em 54 lotes dentro de 16 grupos por alegarem que a nova estrutura romperia um desenho operacional feito pelo mercado ao longo de 70 anos. Número de frota para os serviços e a taxa de ocupação dos ônibus também eram pontos de divergência entre o governo federal e as empresas.
A ANTT também havia proposto um modelo de subsídios cruzados, pelo qual, a empresa que assumisse uma linha lucrativa teria de operar um serviço que desse menos retorno, mas que tivesse importância social e de integração regional.
A ANTT agora não vai licitar lotes. A concessão será por linhas, semelhante ao que ocorre no mercado da aviação civil.
“Já fizemos um estudo preliminar quanto a este novo marco regulatório e estamos prontos para quando ele entrar em prática” – garante Fernando Santos.
O intuito é ganhar a concessão dos atuais 68 trajetos quando houver o processo da ANTT.  Não estão descartados novos itinerários.
FIDELIZAÇÃO DE PASSAGEIROS:
O mercado de transporte rodoviário de média e longa distância está cada vez mais competitivo. A redução dos valores das passagens de aviões ao longo dos últimos 14 anos, o transporte clandestino por ônibus ilegais e um número maior de pessoas com veículos próprios fazem com que as empresas revejam as estratégias de atuação.
Para Fernando Santos, o principal caminho é “fidelizar” o passageiro.
“Vamos investir numa empresa humanizada, próxima das pessoas, da comunidade. As paradas ao longo dos trajetos vão ter novas parcerias, com estabelecimentos que ofereçam maior conforto. Ampliaremos salas VIP e criaremos programas de fidelidade de acordo com o uso das linhas oferecendo descontos, por exemplo” – complementa Fernando Santos.
A tecnologia, tanto em prol do passageiro com possibilidade de compras de bilhetes em mais espaços virtuais, como para o acompanhamento dos ônibus ao longo das linhas, é outra peça que a Kaissara promete mover bem no tabuleiro de xadrez do mercado rodoviário.
A relação das linhas operadas pela Kaissara, pela Resolução 4662/15 ANTT  você confere neste link:
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes
Fonte:https://blogpontodeonibus.wordpress.com/2015/06/12/exclusivo-diretor-da-kaissara-itapemirim-adamo/

7 comentários:

Fernando Lopes disse...

Meu nome é Fernando Xavier Lopes, mais conhecido como XAVIER sou ex-funcionário da Viação Itapemirim,com muito orgulho trabalhei por quase duas décadas, comecei como motorista, mas havia um excedente de motorista, devido a compra de tres Empresas que foi adquiridas pela Viação na cidade de Campina Grande Pb ,Que foram elas; Viação Planalto, Viação Nordestina e Viação Nacional de Luxo logo depois foi feita uma varredura dos quadros funcional da empresas, alguns foram demitidos e outros foram aproveitados nos quadros operacional da mesma Eu fui aproveitado com encarregado de Ponto de Apoio em Sertania PE,depois assumi a Gerencia de Itabaiana Pb, depois fui encarregado do terminal Rodoviário de Campina grande, depois passei a ser gerente de reserva para tirar ferias de meus colegas gerentes quando pedi demissão da empresa, ainda deixei dois projetos de reforço de linha de Caicó RN São Paulo, com um reforço de linha saindo de Currais Novos RN via Patos trabalhei na arrecadação de compra de duas empresas de ônibus do nordeste VIAÇÃO JOÃO TEOTÔNIO , na cidade de Caruaru PE. e VIAÇÃO CAIRIENSE em Juazeiro do Norte CE . Confesso
que esta noticia vinculada, pela imprensa e pela Internet, me trouxe uma tristeza dentro de mim, porque Viação Itapemirim, foi uma historia de vida dentro da minha própria vida. Pois foi dentro dela que meus filhos nasceram

Anônimo disse...

A empresa itapemirim está passando por esta dificuldade por causa dos maus gerenciadores, eles que quebram a empresa itapemirim, onde voces ja se viram gerente de empresa que é empregado ter transportadora e um deles tinha ate mesmo 5 onibus DD dentro da mesma empresa e outros gerentes terem transportadora de carretas, tem alguma coisa errado nesta historia, pois eu trabalhei na empresa e fui demetido sem ter feito nada de errado , pois no Brasil o errado está certo e o certo está errado, se eu fosse o senhor Camilo Cola mandaria investigar a vida de todos os gerentes que trabalharam na sua empresa, pois a empresa itapemirim carga quebrou tambem , pois foi mau administrada por gerentes incompetentes.

Daniel Oliveira disse...

Gostaria de que os clientes do norte e nordeste n sejam esquecidos e nem colocados de lado, visto como a então Itapemirim havia fazido.

Jorge Candido disse...

Trabalhei na Itapemirim como motorista de 1998 até 2011 quando me aposentei. Antes tinha trabalhado na Viação Cometa durante 22 anos. Trabalhei somente nesta duas empresas. Atualmente faço bico em empresas de turismo aqui no Rio de Janeiro. Lamentavelmente as duas empresas que trabalhei e me orgulho muito, foram à falência. Dá até vontade de chorar. Tenho lindas e incríveis histórias para contar aos meus filhos e netos. Cruzei o Brasil de norte a sul, leste a oeste, nordeste... tudo. Vi coisas que até Deus duvida nas estradas. Foi linda minha vida profissional. Agora com a notícia do fim da Itapemirim. Tanto a Cometa quanto a Mirim, foi fruto de mal gestão. Pena.

ariel bernardes disse...

Sou de Belo Horizonte-MG e sempre gosto de viajar de ônibus!desde pequeno meus pais adoravam viajar de Itapemirim e eu fui aprendendo a gostar de ônibus através dessa empresa. Sempre que eu ia viajar procurava sempre ir de mirim,por que? Sempre eu era bem tratado os ônibus que eu viajava estavam sempre muito bem cuidados e limpos e os motoristas e auxiliares da empresa sempre foram muito educados e me trataram super bem. Quando vi a notícia que a maioria das linhas foi transferida para a Viação Kaissara e que a Itapemirim pode ir à falência me deu vontade de chorar! Não acredito que a empresa que rodou o Brasil levando sempre conforto e educação (coisa que muitas empresas estão deixando a desejar) possa acabar! Eu sempre acreditei e vou continuar acreditando na Mirim! Voçês vão vencer e provar ao Brasil o seu valor! FORÇA ITAPEMIRIM

Anônimo disse...

Isso já estava sendo desenhado a varios anos. Uma gestão sem respeito para com as pessoas. A valorização de seus empregados. Alguns de seus empregados comiam marmita nem cima das maquinas enquanto as pessoas que visitavam a empresa era levada para um refeitorio todo montado. Quando fui fazer m,inha entrevista e passei fiquei horas a ponto de ter que ficar na cidade para continuar os teste no dia seguinte. E sobre meu chefe o diretor me disse que eu tinha quer sair sempre depois dele, mesmo tendo cumprido minha jornada completa de trabalho.
Os tempos mudaram e ela não conseguiu se manter no topo pela falta de seu capital humano. A miopia tomou conta e a centralização do poder...Inumeras empresas (marmore, alimentação, transporte, fabricação, agua mineral etc..) cresceu nos tempos aureos de um país fechado ao mercado internacional....Ao longo deste trinta anos foi o suficiente para mostras suas fraquezasx de uma miopia de gestão administrativa e estrategica...Bye Bye Viação Itapemirirm....Lições Aprendidas tiramos deste Case de Sucesso que foi um dia...

Marcos de Almeida André disse...



Olá Desde muitos anos fui a Vitória da Conquista a contar da época que a Salutaris saia da rodoviária na Baixada do Glicério.Foi com muita tristesa de tomei a noticia que seu nome se apagará de vez sendo substituida pela Aguia Branca, porém ficam algumas perguntas:
O que ocorreu de fato para que isto viesse a se concretisar? A empresa estava endividada? Os sócios cansaram de tantos anos labutando na mesma linha? Se a empresa dispunha de um nome grandioso por que então deixou ser substituido, apagado ou riscado da memória de uma vez por todas? A oferta para uma possivel venda foi tão grande que os acionistas ñ conseguiram resistir?

Alguém pode me tirar esta dúvida?