sábado, 6 de fevereiro de 2010

Sobre a padronização das pinturas dos ônibus do Rio

Segundo o jornal O Dia e a radio CBN, o prefeito Eduardo Paes ainda não desistiu da ideia de padronizar as pinturas dos onibus do Rio, embora em entrevitas concedidas a midia em geral sinalize que não quer mais e que pretende cancelar o decreto. Se for aprovado vai ser o maior atentado a um dos monumentos turisticos do Rio, as pinturas das empresas de onibus. Tais pinturas são referencias da cidade e são admiradas no Brasil e no mundo. ELas são uma das marcas registradas da cidade comparados até de uma certa forma as bondes de Santa Teresa em termos de equivalêcia histórica. No que se refere a locomoção, tal iniciativa será pior do que a da entrada dos passageiros pagantes pela porta da frente, que trouxe muitos transtornos aos cariocas, porém vai ser ser numa escala pior. Vai ser pior, pois muitos vão pegar onibus errado e parar locais ultra perigosos correndo o risco de serem assaltados e até mortos. Vai aumentar o preconceito contra quem mora em locais pobres ou favelas, pois onibus originários destes lugares serão extremamente mal vistos pelas pessoas que moram em locais mais abastados como Zona Sul e Barra da Tijuca ja que os onibus serão identificados por região. E o pior de tudo, vai maquiar o serviço de empresas que prestam um péssimo serviço como Feital, Ocidental, SAnta Sofia e Amigos Unidos. Em São Paulo, para se ter uma idéia, os busólogos, que são expert em identificar modelos, carroceria e empresas de onibus muitas vezes se confundem em saber se um onibus pertece a Viação Gato Preto ou a Santa Brigida, por exemplo. Se Busólogos la se confundem a ponto de não conseguirem identificar a frota de uma com outra, imagine a população incauta daquela cidade? La a padronização se mostrou um desastre, aqui no Rio não será diferente, senão pior. Até engenheiros de transportes como Fernando Mac Dowell se opõe a idéia, imagine a poupulação. Vejam a matéria:
"Coletivos do Rio terão cor única
Prefeitura quer que todos os ônibus da cidade sejam padronizados por região até a Copa de 2014. O gasto para mudar a frota é calculado em R$ 80 milhões. Empresas e usuários que reconhecem linha pela cor rejeitam proposta

Rio - A Prefeitura planeja padronizar os ônibus da cidade. A ideia é pintar todos os coletivos de uma cor só, levando em consideração as regiões para onde vão. Publicado em decreto no Diário Oficial de 3 de novembro, o projeto, que ainda está em estudo, tem a intenção de deixar o Rio mais bonito para a Copa de 2014 e a Olimpíada de 2016. Mas não foi recebido com bons olhos pelas empresas de ônibus nem pela população.

Para pintar os 8 mil ônibus da cidade, as empresas vão gastar um total de R$ 80 milhões. Procurada, a Fetranspor preferiu não comentar.

A primeira proposta apresentada pela Prefeitura sugeria ônibus de duas cores: azul-bebê e salmão. A parte de baixo, na altura das rodas, teria um friso com o desenho do calçadão da Praia de Copacabana estilizado. Os primeiros modelos não agradaram às empresas. Segundo os empresários, a parte que receberia o friso é a que mais se danifica e o concerto ficaria mais demorado.

As empresas pediram, então, para que outras opções fossem confeccionadas. Segundo a Secretaria Municipal de Transporte, o layout não foi definido.

Nas ruas, os passageiros preferem continuar com os veículos diferentes e coloridos. “Vai ficar mais difícil identificar o ônibus. Todo mundo já grava pela cor. Muita gente vai errar. Tem coisas mais importantes para o prefeito resolver ”, reclamou a estudante Maysa Mazzeo, 21 anos.

A aposentada Geneci Santos, 68, não gostou da notícia. Com catarata, ela tem dificuldade para enxergar de longe e teme problemas na hora de se locomover pela cidade. “Vou ter que perguntar às pessoas no ponto qual o ônibus que está passando”, prevê.

Apaixonado por ônibus, Sydney Júnior, 49 anos, ficou insatisfeito quando soube da intenção do prefeito Eduardo Paes. “Sou contra. Não vou querer mais colecionar miniaturas de ônibus do Rio”, lamenta. O busólogo tem em casa 67 miniaturas e reclama que a padronização vai tirar a graça da sua paixão pelos veículos. “Em meu site fiz uma pesquisa sobre a alteração e o resultado foi unânime. As 100 pessoas que votaram foram contra”, revela o dono do portal www.cidadeonibus.com.

Colorido dos veículos já é uma marca da cidade

O engenheiro de transportes Fernando Mac Dowell torce para o projeto não sair do papel. Para ele, além de confundir os usuários, a padronização dos ônibus não combina com o Rio. “Vai ficar monótono, sem graça. Nós sempre fomos conhecidos pelos ônibus coloridos. Vamos perder uma de nossas marcas”, acredita, elogiando a criatividade das empresas ao criar o layout dos veículos: “É tão legal ver os diversos modelos criados pelas empresas”.

Mac Dowell adianta que existem problemas do transporte carioca que precisam ser pensados com mais prioridade do que a cor dos ônibus. “Temos que resolver falhas sérias de metrô e trens. Poderíamos pegar os R$ 80 milhões dos gastos com pintura e usar em abatimento de passagem”, sugere.

O busólogo (apaixonado por ônibus) Jaílson Abreu, 29, lamenta a mudança. “Muitas pessoas nos admiram pelos ônibus. Vêm aqui para tirar foto com os diversos modelos. Agora vai ficar sem graça”, desabafa. Ele tenta entender a decisão da prefeitura: “Acredito que estejam fazendo isso para passar uma ideia de transporte organizado, mas é só maquiagem”. Ele ainda tem a esperança de que a alteração não aconteça: “A população não vai concordar, e eu espero que mudem de ideia”."

7 comentários:

Marcelo Delfino disse...

Não elegeram o Eduardo Paes? Agora tomem bonito, otários. Sem vaselina.

Vitor disse...

Eu não gosto do Eduardo Paes mas sou completamente a favor. Não acho que vá atrapalhar ninguém até por que no Rio as pessoas identificam as linhas pelo número, esse modelo padronizado é usado em várias cidades do mundo. Acho que até facilita a vida do usuário, sobretudo os turistas que vão brotar por toda a cidade nos próximos anos. De modo geral o q falta no sistema de transportes do Rio é uma Organização, e a padronização da pintura faz parte.

Anônimo disse...

Ah, vá! 99,999999% da população é contra a padronização. Podem fazer uma pesquisa. Só umas meia dúzia de pessoas que são a favor (prefeito, mais uns 4 e esse daí que comentou).

Lucas disse...

Sou contra a padronização dos ônibus so que agora ja era, ja estão rodando onibus padronizados pelo rio, eu sou apaixonado por ônibus e identifico facilmente a linha que o onibus esta fazendo e tambem mesmo com a padronizaçao eu consigo saber a empresa do onibus que estou vendo.(sou apaixonado por onibus desde os meus 5 anos de idade, agora eu tenho 14 anos).

789 disse...

SOU CONTRA A PADRONIZAÇÃO, NA MINHA CIDADE(BELO HORIZONTE) OS COLETIVOS SÃO PADRONIZADOS ISSO TIRA A BELEZA DE ALGUNS MODELOS COMO POR EXEMPLO A MAGNIFICA FROTA DA VIAÇÃO SM TRANSPORTES OU ATUAL QUE PARA MIM É A MELHOR EMPRESA DE TRANSPORTES DESSA CIDADE.
OS COLETIVOS DO RIO TEM POR SUA PRINCIPAL BELEZA AS PERSONALIZAÇÕES DAS PINTURAS DA EMPRESA, QUANDO VOU PARA O RIO DE JANEIRO ADORO ANDAR DE ÔNIBUS POR LÁ É UM PRAZER . . . ATÉ HOJE ME LEMBRO DA PINTURA DA VIAÇÃO FLORES E DA ANTIGA FAGUNDES, OCIDENTAL E ORIENTAL .... ISSO FAZ PARTE DA BELEZA DO RIO E O PREFEITO NÃO PODE ACABAR COM ISSO....



SOU CONTRA A PADRONIZAÇÃO

Marcelo Delfino disse...

Vem cá... Fagundes é de Niterói, e Flores é da Baixada. A padronização carioca não atinge estas empresas.

MPierre disse...

O Nélson Rodrigues citou o termo Complexo de Vira-lata que consiste em imitar as coisas SEM VER as realidades diferentes entre um local e outro.

No futebol, foi assim com os pontos corridos e 20 clubes (quase adotaram o calendário europeu) e, agora, essa farda da VIAÇÃO CIDADE DO RIO DE JANEIRO.

Essa atual administração da Prefeitura me passa a impressão que tem Complexo de Vira-lata.